Fundado em 1988, o Instituto Cultural do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG Cultural) completa três décadas de existência integralmente comprometido com o fomento à Cultura e às Artes de Minas Gerais, aqui entendidas como motores do desenvolvimento econômico e fatores de inclusão social. A chamada economia criativa, hoje, movimenta extensas e importantes cadeias produtivas, gera emprego e renda e, acima de tudo, compõe a base a partir da qual as comunidades erguem a sua identidade, educam as novas gerações e projetam os seus sonhos para o futuro. Não há povo forte sem cultura forte. Ela é o que alimenta a alma e os horizontes da gente.

Sob essa inspiração, o Instituto criou programas que conquistaram o apoio da sociedade mineira e permaneceram. A Galeria de Arte nasceu junto com o BDMG Cultural, desde o início preocupada em abrigar o talento dos artistas consagrados e, ao mesmo tempo, o que há de mais contemporâneo no cenário artístico do estado, abrindo suas portas para as mais variadas formas de manifestação estética, sem preconceitos. Ocupada por edital público, democratiza o acesso dos artistas ao seu espaço, dando chance, inclusive, aos que estão no início da carreira. O Coral do BDMG existe há vinte e nove anos. Já se apresentou em vários cantos do Brasil e até do exterior. Regido pelo maestro Arnon de Oliveira, tem dois CDs gravados e dois DVDs. Além de encantar o público com apresentações na Praça da Liberdade e na Igreja de Lourdes, viaja pelo interior do estado, proporcionando aos mineiros de todas as regiões a fruição do que há de melhor nessa arte. O Prêmio BDMG Instrumental existe há dezoito anos. A credibilidade e o respeito de que desfruta junto aos músicos são imensos. Estive no Teatro Sesiminas no fim de semana passada e constatei o poder do Prêmio, que mobiliza toda a categoria e um júri de reputação nacional. Fiquei impressionado com a qualidade e o brilho dos concorrentes. Os vencedores farão shows em Belo Horizonte e em São Paulo, por conta da parceria com o SESC daquele estado. O Prêmio BDMG Cultural/Fundação Clóvis Salgado de Estímulo ao Curta Metragem de Baixo Orçamento é outra iniciativa vitoriosa. Assim como o da Galeria, seu edital também está atualmente aberto, disponível na página do Instituto na internet, e é o único de Minas dedicado aos curtas.

Se o portfólio de realizações do BDMG Cultural é amplo, desde 2015 ele se viu ainda mais enriquecido pela atenção dada à promoção do pensamento, da reflexão e da crítica. Em parceria com as melhores universidades de Minas e com a intelectualidade do estado e do país, foi possível organizar eventos relevantes, em que se discutiram os principais temas da contemporaneidade. Em dezembro do ano passado, seminário especial reuniu dez professores, sob curadoria de Eliana Dutra, da UFMG, para pensar os cento e vinte anos de Belo Horizonte. Na semana que vem, nos dias 17 e 18 de maio, sob curadoria do professor Caio Boschi, o assunto será Minas Gerais. De nove da manhã às seis da tarde, em dez conferências gratuitas e abertas ao público, serão debatidos temas como economia, demografia, urbanização, arquitetura, história, literatura, política, música e artes plásticas. Imperdível!