Boa noite a todos.

Sejam todos muito bem-vindos ao Auditório Paulo Camilo, do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais.

Meu nome é Rogério Faria Tavares, atualmente no exercício das funções de diretor presidente do BDMG Cultural.

Cumprimento as autoridades presentes, o curador Adauto Novaes e, em especial, o professor Vladimir Safatle, expositor dessa noite. Bem vindo a Minas, professor.

O BDMG Cultural é o Instituto Cultural do Banco de Desenvolvimento de Minas e foi fundado há quase três décadas.

A Cultura, para nós, é, sobretudo, motor do desenvolvimento econômico e impulsionador de importantes cadeias produtivas. É, também, fator de inclusão social e meio de promoção da cidadania. É pela sua Cultura que os povos geram e consolidam sua identidade. Ela é a substância a partir da qual emergem seus sonhos e projetos para o futuro.

Por tudo isso, é dever do BDMG Cultural fomentar as mais variadas formas de expressão artística, valorizando a diversidade sob todos os seus aspectos, guiado pelo ideal de contribuir para uma sociedade mais democrática, mais tolerante, mais fraterna e solidária.

Não foi outro o pensamento que nos fez renovar o patrocínio ao Ciclo de Conferências Mutações, dando continuidade ao vínculo formado por meu antecessor, o jornalista João Paulo Cunha, um dos melhores intelectuais da imprensa brasileira. Em três décadas de existência, o “Mutações” construiu bela história de consistência, credibilidade e reputação, nacional e internacional, e proporcionou a criação de um espaço de reflexão qualificada sobre temas fundamentais da contemporaneidade.

A coleção de livros editados depois de cada ciclo é um de seus legados mais preciosos.

Com curadoria de Adauto Novaes, o Mutações já é patrimônio da Cultura e da Inteligência Brasileiras. É uma honra e um privilégio para o BDMG Cultural contribuir para com a continuidade da sua trajetória.

Muito obrigado!